terça-feira, 15 de maio de 2012

Superestrutura textual

As superestruturas são esquemas constituídos por categorias formais que organizam o conteúdo do texto. Cada tipo de discurso possui uma superestrutura específica que o diferencia de outros. Por exemplo, a o texto narrativo evidencia uma superestrutura diferente da apresentada pelo texto expositivo.
As categorias que conformam essas estruturas são independentes do conteúdo. Assim, um mesmo conteúdo pode ser organizado em diferentes superestruturas gerando discursos diferentes que desenvolvem o mesmo assunto. Embora as estruturas textuais sejam independentes do conteúdo, elas influem na organização do mesmo. Por exemplo, ao descrever um crime, a ênfase está nas características do fato; ao narrar o mesmo fato, o texto resultante pode estar focado nos motivos que originaram tal ato.

2.1. Superestrutura narrativaA superestrutura narrativa envolve as seguintes categorias:
• Apresentação ou Marco: implica uma situação inicial na qual são apresentadas as personagens, o tempo e o espaço em que transcorrem os fatos e o problema (ou conflito) que desencadeia o relato.
• Episódio: são expostas as ações dos personagens, a meta ou objetivo dos mesmos, os obstáculos que estes enfrentam e as possíveis consequências. Cada episódio conta com uma situação inicial (apresentação do problema ou conflito) e sua resolução (positiva ou negativa). Os episódios são interconectados e vão constituindo a trama do texto.
• Final: estabelece-se um estado novo e diferente ao problema que desencadeou a narração, o que implica que esse evento seja superado.

2. 2. Superestrutura descritivaAs categorias da superestrutura descritiva variam dependendo daquilo que é descrito. Por isso, distinguem-se em diferentes tipos. Basicamente, identificam-se quatro superestruturas descritivas: de cena, de objetos, de espaços e de pessoas. Apesar desta diversidade, existe a categoria de atributo, que está presente na maioria dos tipos de descrição.
Na descrição de objetos, pessoas e espaços, a categoria que possibilita a descrição é a de “atributo”. Ou seja, apresenta-se a pessoa, o espaço ou o objeto e adicionam-se os atributos necessários para que a descrição seja completa.
Não acontece o mesmo com a descrição de cena, já que, neste tipo de superestrutura, é central a ação realizada pelas personagens. Sendo assim, distinguem-se três categorias básicas na descrição de cena:
• Espaço.
• Personagens
• Ações.
O espaço alude ao lugar onde acontece a cena, as personagens são aquelas destacadas na cena e a ação expressa os atos dessas personagens. É necessário distinguir as personagens centrais da cena e aqueles que são parte do espaço; estes últimos são considerados secundários.

2.3. Superestrutura expositiva

Os discursos expositivos apresentam uma estrutura textual composta por três categorias básicas.
• Introdução.
• Desenvolvimento.
• Conclusão
.
A introdução expõe o tema que vai ser tratado. O desenvolvimento inclui os conteúdos que permitem informar sobre o encadeamento do tema apresentado na introdução. Por último, na conclusão, sintetiza-se aquilo que foi desenvolvido.

2.4. Superestrutura argumentativa

As argumentações evidenciam uma estrutura textual que está composta por:
• Tese.
• Argumentos.
• Conclusão
.
A  tese é a ideia defendida através dos argumentos.
Os argumentos são os conteúdos que apoiam a tese exposta.
A conclusão, por sua vez, é derivada dos argumentos.
Tanto os argumentos como a conclusão não devem contradizer a tese, já que se for assim a argumentação não será efetiva. 
                                                                                

3 comentários:

  1. Obrigado pelo texto, estou preparando uma palestra sobre "Cosmovisão Cristã", e estou estudando super estruturas para entender melhor o processo de indução social,

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo texto, estou preparando uma palestra sobre "Cosmovisão Cristã", e estou estudando super estruturas para entender melhor o processo de indução social,

    ResponderExcluir